sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Mais um ponto turístico

27/08/2012 - Extra, Paula Fernandes e Roberta Hoertel

Enquanto o teleférico do Alemão completa um ano com três milhões de passageiros, o Morro da Providência se prepara para receber o transporte

Há cerca de um ano, quando começaram os trabalhos, eram apenas gôndolas azuis percorrendo cabos de aço ainda duvidosos. Hoje vermelhas, as gaiolas do teleférico do Complexo do Alemão, um mês após completar o primeiro ano de funcionamento, atingiram a marca de três milhões de passageiros, derrubando os medos e dúvidas da população. Enquanto isso, as obras do teleférico do Morro da Providência estão a todo vapor para edificar um novo cartão-postal na paisagem do Rio.
- Lá em cima balança muito, tudo que é novo gera medo, mas hoje vejo o quanto o sistema foi útil aqui no Alemão - conta a estudante Marcia Pereira.
Na época da inauguração, a implantação do primeiro sistema de transporte de massa por cabo do país numa comunidade recém-pacifica da foi questionada até pelos moradores. Além da insegurança inicial do transporte, a ideia de que a novidade não duraria muito dentro da comunidade afastou muitos cariocas do passeio.
- Achei que com o tempo eles fossem desistir disso, mas está aí até hoje, sem nenhum problema - conta a estudante Juliana Marques.
Mais do que facilitar a vida dos moradores, que chegam a economizar 20 minutos de caminhada, as gôndolas são mais um ponto turístico. Verônica Silva saiu de Copacabana, onde mora, para conhecer o local com uma amiga. Voltou no dia seguinte com os três filhos:
- É muito divertido! De acordo com a Secretaria Municipal de Habitação, as obras do teleférico da Providência deverão ser concluí das até o fim de outubro. Mas o órgão não confirmou a data da inauguração.
Rotina cansativa com dias contados
Morador do Morro da Providência, no Centro, há 35 anos, o líder comunitário Paulo Luiz de Andrade, de 51, depende diariamente de mototáxis e kombis para subir e descer a ladeira. Ao ver as obras do teleférico, ele ganha mais fôlego para cumprir sua rotina cansativa.
- Tenho que descer, em média, umas três vezes ao dia, seja para ir ao mercado, à farmácia ou resolver algum problema. A cada trajeto de ida e volta, se for de mototáxi, gasto R$5; na kombi, tenho que pagar R$3 - explica ele, que também é funcionário público.
Segundo a Secretaria Municipal de Habitação, três estações vão ligar o Morro da Providência à Central do Brasil e à Cidade do Samba, num percurso de 665 metros. O teleférico será gratuito para os moradores, mas deverá ter um custo para visitantes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário