sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Teleférico pronto aguarda gôndolas para funcionar

30/08/2013 - G1 RJ

Obras do teleférico da Providência, no Rio, começaram em março de 2012 e custaram R$ 75 milhões. Sistema vai ligar Central do Brasil, comunidade e Cidade do Samba
 
Com gôndolas, só no período de testes
Com gôndolas, só no período de testes
créditos: Reprodução / Jornal do Brasil
 
Moradores do Morro da Providência, na zona portuária do Rio de Janeiro, estão a espera de uma promessa feita há mais de um ano: a instalação de um teleférico na comunidade, que é ocupada pela Polícia Militar. 
 
Um ano e meio depois do início das obras, o equipamento, que visa beneficiar mais de 4,8 mil habitantes, até esta sexta-feira (30) não operava  - por falta de gôndolas, como mostrou o telejornal da TV Globo (RJTV).
 
As obras, que começaram em março de 2012, fazem parte do programa Morar Carioca, que destinou R$ 163 milhões em investimentos para a região. Desses, R$ 75 milhões são apenas para a construção do teleférico.
 
Ao longo de 721 m e três estações, 16 gôndolas com capacidade para 10 passageiros, cada, vão ligar a Central do Brasil ao Morro da Providência e à Cidade do Samba. A previsão é que mil pessoas sejam transportadas por hora em cada sentido.
 
Só testes
O primeiro teste mecânico na estrutura foi realizado em dezembro do ano passado. O sistema conta com 17 postes, sendo nove metálicos e oito de concreto. O sistema funcionou por três meses sem tripulação até receber o teste com pessoas em abril, para verificar os sistemas elétrico, mecânico e hidráulico, além de freios e sensores.
 
A previsão era de que os testes fossem feitos durante todo o mês de maio para ser, finalmente, aberto. As gôndolas, porém, foram retiradas e os moradores ficaram sem saber quando o sistema volta a funcionar.
 
A Prefeitura do Rio admitiu o atraso e informou que cinco moradores entraram na Justiça, o que fez a obra ficar embargada. O órgão recorreu, reiniciou as obras e aguarda a realização de uma licitação para escolher a empresa que vai administrar o transporte.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Tarifa do teleférico do Alemão, no Rio, aumenta de R$ 1 para R$ 5

10/04/2013 - G1 Rio

No entanto, aumento não será para moradores da região. Aumento da arrecadação será usado em projetos culturais

Teleférico do Conjunto de Favelas do Alemão
créditos: Divulgação

O teleférico do Conjunto de Favelas do Alemão, na Zona Norte do Rio, vai ficar mais caro para quem não é morador. Segundo a SuperVia, concessionária que administra o transporte, o aumento da arrecadação será usado em projetos culturais e também servirá para incentivar os trabalhos desenvolvidos pelas ONGs da comunidade. O valor vai de R$ 1 para R$ 5 a partir do dia 26 deste mês.

Mas a tarifa para moradores da comunidade não será alterada. Os cadastrados seguem com o benefício de uma passagem de ida e uma de volta, gratuitas. O custo da tarifa para viagens adicionais de moradores cadastrados será mantido em R$ 1.

Já aqueles moradores que ainda precisam se cadastrar, podem realizar a inscrição no posto de atendimento da RioCard, localizado na estação Bonsucesso, no Subúrbio.

Serviço
Cadastro de Moradores do Complexo do Alemão
Local: Posto de Atendimento da estação Bonsucesso
Período de cadastramento: de 04/04/ a 07/07
Horário: das 16h às 19h

Leia também:
Teleférico da Providência, no Rio, tem primeiro teste tripulado neste sábado
Implantação de teleférico em Florianópolis deverá custar R$ 64 milhões
Bolívia terá o teleférico mais longo do mundo

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Obras do teleférico de São Bernardo do Campo começam em 2014

15/08/2013 - Via Trólebus

Teleférico do Rio de Janeiro semelhante ao projeto de São Bernardo do Campo

A cidade de São Bernardo do Campo deve ganhar um modal de transportes bem conhecido em parques, mas que pode servir também a locomoção de pessoas: O teleférico. Segundo a previsão da prefeitura da cidade, as obras podem começar no segundo semestre do ano que vem.

O projeto depende da assinatura do contrato com o Banco Mundial no valor de aproximadamente R$ 500 milhões para a execução de quatro empreendimentos na área de mobilidade na cidade, entre os quais o equipamento de transporte via cabo em áreas montanhosas. "As negociações para essa verba já estão bem adiantadas. Possivelmente, até meados do ano que vem o financiamento já esteja assinado", declarou o titular da Pasta.

De acordo com a prefeitura, a expectativa é que os teleféricos estejam em funcionamento no segundo semestre de 2015, quando está prevista a finalização de três corredores de ônibus na cidade. "É interessante estar pronto junto. Por exemplo, a estação final do corredor Leste/Oeste, na Rua Tiradentes, vai ter estação de teleférico também, porque lá estaremos no meio de dois morros", disse o secretário de Transportes e Vias Públicas, Oscar Silveira Campos. Os outros pontos previstos para ter o sistema de bondinho é na Avenida Dom Pedro de Alcântara, bairro Montanhão, e na Estrada do Montanhão, Parque Selecta.

O teleférico será integrado com o sistema municipal de ônibus. "Sem integração com os corredores de ônibus perde eficiência, porque o munícipe teria que descer dele e pegar outro tipo de transporte. Por isso, planejamos terminar o projeto junto com os corredores", afirmou o secretário.

A estimativa é que o sistema receba investimento de aproximadamente R$ 220 milhões. "Como ainda está no projeto básico, temos somente uma previsão. Pode haver mudança nesse valor quando tivermos o projeto executivo nas mãos", ponderou Campos.

De acordo com o secretário, o modelo de teleférico usado em São Bernardo será semelhante ao existente na Venezuela. "A gente acha que é o que mais se aproxima com o que queremos fazer aqui. É um sistema que faz integração dentro dos morros, com várias estações, e não leva apenas passageiros até o pé do morro."

Campos disse que a previsão é de que o modal tenha uma linha de seis a sete quilômetros, com um ponto de acesso aos passageiros a cada quilômetro. Nos locais mais baixos serão feitas as estações. A estimativa é de que 12 pequenos terminais sejam feitos. Os bondinhos circularão em velocidade média de 25 km/h. "As obras mais significativas para o teleférico são as estações. Então, será mais rápido para fazer do que os corredores de ônibus, que necessitam de intervenções nas ruas. O teleférico já vem fabricado e pré-montando." (Com as informações do Diário do Grande ABC).

Fonte: Via Trolebus