sábado, 29 de dezembro de 2012

Teleférico do Morro da Providência passa pelo primeiro teste

21/12/2012 - O Globo

Estrutura será aberta aos moradores em abril

Teleférido da Providência vai ligar a comunidade à Central e à Cidade do Samba Márcia Foletto / O Globo

RIO — O prefeito Eduardo Paes participou, na manhã desta sexta-feira, do primeiro teste com funcionamento da gôndola do teleférico no Morro da Providência no Centro. O equipamento, construído pelo Programa Morar Carioca, terá três estações e vai interligar a Providência com a Central do Brasil e a Cidade do Samba. O teleférico terá capacidade para transportar cerca de mil pessoas por hora.

O tempo do percurso da Providência até a Cidade do Samba será de seis minutos, incluído o tempo de parada. A cabine terá capacidade para dez pessoas. Nos próximos três meses o equipamento ficará em fase de testes. O teleférico só será aberto aos moradores em abril.
A prefeitura investiu R$ 163 milhões nas obras do Morar Carioca. Do total, cerca de R$ 75 milhões foram destinados a implantação do teleférico.

— Isso é fantástico! — disse o prefeito. — Estamos na primeira favela do Rio, hoje totalmente pacificada e integrada à cidade. E o teleférico integra ainda mais, porque permite que a população tenha acesso às residências e fique conectada com a cidade.

Segundo Paes, o teleférico está integrado ao projeto Porto Maravilha:

— Não tenho dúvidas que isso aqui vai virar o Pão de Açúcar 2, a missão no Rio de Janeiro. O visual que se tem é maravilhoso. Você pode ver a cadeia de montanhas do interior do estado, a Ponte Rio-Niterói, o Porto do Rio, a Igreja da Penha, o Cristo Redentor, o Pão de Açúcar, o Relógio da Central e o Centro do Rio. Esse é um ponto privilegiado da visão da cidade.
Para a moradora Aline Dias, de 32 anos, o teleférico vai beneficiar principalmente as pessoas idosas:

— Hoje, o nosso meio de transporte são as kombis, que só sobem depois de lotadas. Temos sempre que esperar a lotação de passageiros.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Teleférico do Morro da Providência passa pelo primeiro teste

21/12/2012 - O Globo

Estrutura será aberta aos moradores em abril

Teleférido da Providência vai ligar a comunidade à Central e à Cidade do Samba Márcia Foletto / O Globo

RIO — O prefeito Eduardo Paes participou, na manhã desta sexta-feira, do primeiro teste com funcionamento da gôndola do teleférico no Morro da Providência no Centro. O equipamento, construído pelo Programa Morar Carioca, terá três estações e vai interligar a Providência com a Central do Brasil e a Cidade do Samba. O teleférico terá capacidade para transportar cerca de mil pessoas por hora.

VEJA TAMBÉM
VÍDEO Morro da Providência em transformação
VÍDEO Obras do teleférico da Providência começam a aparecer. Assista
Mapa de teleférico que ligaria Copacabana à Tijuca é descoberto na Alemanha
Com teleférico no projeto, prefeitura começa obras de urbanização no Morro da Providência
Morro da Providência será reurbanizado e ganhará dois teleféricos e plano inclinado
Rocinha agora terá teleférico e planos inclinados

O tempo do percurso da Providência até a Cidade do Samba será de seis minutos, incluído o tempo de parada. A cabine terá capacidade para dez pessoas. Nos próximos três meses o equipamento ficará em fase de testes. O teleférico só será aberto aos moradores em abril.
A prefeitura investiu R$ 163 milhões nas obras do Morar Carioca. Do total, cerca de R$ 75 milhões foram destinados a implantação do teleférico.
— Isso é fantástico! — disse o prefeito. — Estamos na primeira favela do Rio, hoje totalmente pacificada e integrada à cidade. E o teleférico integra ainda mais, porque permite que a população tenha acesso às residências e fique conectada com a cidade.
Segundo Paes, o teleférico está integrado ao projeto Porto Maravilha:
— Não tenho dúvidas que isso aqui vai virar o Pão de Açúcar 2, a missão no Rio de Janeiro. O visual que se tem é maravilhoso. Você pode ver a cadeia de montanhas do interior do estado, a Ponte Rio-Niterói, o Porto do Rio, a Igreja da Penha, o Cristo Redentor, o Pão de Açúcar, o Relógio da Central e o Centro do Rio. Esse é um ponto privilegiado da visão da cidade.
Para a moradora Aline Dias, de 32 anos, o teleférico vai beneficiar principalmente as pessoas idosas:
— Hoje, o nosso meio de transporte são as kombis, que só sobem depois de lotadas. Temos sempre que esperar a lotação de passageiros.




quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Teleférico da Providência terá testes em dezembro

20/11/2012 - O Globo

Prefeitura inaugurará novo sistema de transporte até março, mas urbanização só acabará em um ano e meio

Moradora observa obras do teleférico da Providência Guito Moreto / O Globo
RIO - O alto do Morro da Providência, com uma das mais belas vistas do Centro e da Zona Portuária, estará em breve mais acessível para cariocas e turistas. O teleférico, que fará a ligação com a Central do Brasil e a Cidade do Samba, entrará na fase de testes em dezembro. Sua inauguração está prevista para fevereiro ou março de 2013, com capacidade para transportar mil pessoas por hora. Apesar das melhorias no acesso, as obras de urbanização na comunidade só deverão ficar prontas daqui a um ano e meio. Estão previstas no projeto Morar Carioca a instalação de novas redes de água, esgoto e drenagem, o alargamento de ruas, reforma da pavimentação e a construção de um plano inclinado paralelo à escadaria da Ladeira do Barroso.

Ao todo, as obras na Providência, incluindo a construção do teleférico, custarão R$ 150 milhões. Inicialmente, a prefeitura vai operar o sistema, mas não está descartada a escolha de um operador terceirizado. A expectativa é que a comunidade que tem três mirantes, além da Igreja de Nossa Senhora da Penha, do século XIX, e do oratório, do século XVIII possa atrair visitantes.

O objetivo do teleférico, prioritariamente, é melhorar a mobilidade daquela população. Mas a história da Providência e o visual vão atrair turistas aposta a arquiteta Fernanda Salles, que fez o projeto do teleférico e das modificações urbanísticas, no contexto do Morar Carioca, da Secretaria municipal de Habitação.

O passado da Providência, considerada a primeira favela do Rio, é pouco explorado, mas a própria origem da palavra favela remete à história da comunidade, por ter sido um dos nomes do morro.



Enviado via iPhone

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

S.Bernardo inicia projeto para instalar teleférico

09/11/2012 - Diário do Grande ABC

O processo de composição do projeto inclui viagens já realizadas para estudo da tecnologia in loco em países como Colômbia e Venezuela, que já contam com o meio de transporte há cerca de cinco anos.

Por Natália Fernandjes

A Prefeitura de São Bernardo anunciou ontem que está em fase inicial de elaboração o projeto funcional para a instalação de teleféricos em áreas montanhosas da cidade. A ideia é criar sistema de integração tarifária entre ônibus municipais, trólebus, metrô - previsto para chegar em 2015 ao município - e o transporte via cabo.

Sem detalhar prazos e valores para viabilização do equipamento, o secretário de Transportes e Vias Públicas, Oscar Silveira Campos, destacou que a expectativa é de que as obras comecem na metade de 2014. "Estamos estudando ainda os pontos onde serão instaladas estações, os custos e eficiência", comenta.

A ideia inicial é estabelecer ligação entre três corredores da cidade - Rua Tiradentes, Estrada do Montanhão e Avenida Dom Pedro de Alcântara - com as comunidades estabelecidas nos pontos mais altos. "Vamos fazer ligação entre os morros e desses locais com os corredores e estudar o viário nesses vales", observa Campos.

O processo de composição do projeto inclui viagens já realizadas para estudo da tecnologia in loco em países como Colômbia e Venezuela, que já contam com o meio de transporte há cerca de cinco anos. Em dezembro, o prefeito Luiz Marinho (PT) e sua equipe embarcam para o Rio de Janeiro para conhecer a metodologia utilizada no morro do Alemão.

"Essas avaliações servem para viabilizar o projeto que colocaremos na rua e permitir que haja concorrência entre as empresas que prestam o serviço. Com isso, teremos o melhor projeto com menor custo", destaca.

A exemplo do que acontece nos países visitados, a expectativa é de que o sistema a ser implantado em São Bernardo seja o de cabines com capacidade para até dez passageiros, sendo oito sentados e dois em pé - todos com acessibilidade. No exterior, o equipamento atende comunidades instaladas a cerca de 400 metros de altitude e transporta até 6.000 pessoas por hora em velocidade de 18 km/h.

Os usuários de ônibus em São Bernardo já contam com o Cartão Legal, sistema que permite ao passageiro que pagou a passagem utilizar outro ônibus sem custo adicional no período de uma hora e meia. O objetivo da integração é permitir ao passageiro pagar apenas uma passagem para se conectar aos 11 corredores de ônibus que serão criados na cidade até 2014.

O processo será feito de forma integrada com a urbanização dos núcleos habitacionais do município.




Enviado via iPhone

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

De volta ao passado no bondinho do Pão de Açúcar

27/10/2012 - O Globo

Teleférico é hoje o mais velho carioca a fazer aniversário.

Bondinho do Pão de Açúcar Felipe Hanower / O Globo

RIO São cem anos indo e voltando nos céus da Urca. O bondinho do Pão de Açúcar é hoje o mais velho carioca a fazer aniversário. Para comemorar tantas histórias, quem prestigiar a grande obra da engenharia brasileria do começo do século XX ganhará um pedaço de bolo de chocolate. Duas mil fatias deixarão o passeio de cariocas e turistas mais doce entre 10h e 18h. E cada centésimo visitante do dia haverá um contador na bilheteria será presenteado com um mini bondinho de resina. O GLOBO também preparou seu presente para a data: um foto do Rio feita do alto do Pão de Açúcar com o mesmo ângulo captado pelo fotógrafo Marc Ferrez em 1890. Com espírito desbravador, Ferrez escalou o morro carioca, marco da cidade desde os primórdios da colonização portuguesa, carregando cerca de cem quilos de equipamentos, entre máquina, produtos químicos e chapas.

A viagem de Ferrez durou algumas horas e custou grande esforço. Valeu a pena: pela primeira vez, viu-se os morros da Urca e da Babilônia, as praias Vermelha e de Copacabana, a Pedra da Gávea, o Corcovado e uma cidade em expansão para a Zona Sul do alto do gigante de pedra. Na imagem clicada na sexta-feira, após seis minutinhos de subida pelo teleférico, a natureza ainda aparece generosa, mas divide a paisagem com paredões de concreto. A maior diferença, no entanto, está no bondinho em forma de diamante no seu eterno vai e vem entre o Pão de Açúcar e o Morro da Urca.

Autor da foto, Felipe Hanower também já escalou o ícone, assim como feito por Ferrez. A via usada pelo fotógrafo pioneiro, o Costão, é a mais usada até hoje, embora haja cerca de 300 no complexo da Urca. Antes dele, alguns outros aventureiras subiram o morro. Era um grande feito para a época, e a primeira a chegar ao cume do gigante inacessível foi a inglesa Henrietta Carstairs, em 1817. Ela fincou no alto a Union Jack, bandeira do Reino Unido, abrindo uma polêmica e uma guerra de bandeiras. Cariocas subiriam em seguida os 396 metros com a bandeira do Reino do Brasil.

O sonho de uma ligação por teleférico só apareceria décadas depois. O engenheiro Augusto Ferreira Ramos, cuja especialidade era agricultura cafeeira, teve o estalo quando participou da Exposição Nacional de 1808, aos pés do Morro da Urca, em comemoração ao centenário da Abertura dos Portos. Pão de Açúcar e café fizeram a história desse engenheiro de Cantagalo, que colocou o bonde para fazer sua viagem inaugural em 27 de outubro de 1912, entre a Para Vermelha e o Morro da Urca. A linha até o Pão de Açúcar começaria a funcionar em janeiro do ano seguinte. No começo, o passeio custava dois mil réis, ou cerca de R$ 9 hoje, segundo cálculos do professor Moacyr Alvim, da Fundação Getúlio Vargas.

Famosos e anônimos deixaram sua marca no monumento, de Sir Roger Moore, ator britânico que interpretou cena eletrizante no bondinho em 007 Contra o Foguete da Morte, de 1979, ao engenheiro Giuseppe Pellegrini, de 74 anos, diretor técnico da Companhia Caminho Aéreo Pão de Açúcar.

No final desse mês, dias depois dos 100 anos do bondinho, faço 50 anos de trabalho aqui. Quando o bondinho fez 50 anos, houve uma festividade. Eu era montanhista praticante e os montanhistas fizeram uma solenidade, chamada concentração, que é a escalada pelas várias paredes que tinha naquela época. Participei de outras atividades e no final fui chamado para trabalhar no Pão de Açúcar conta um dos maiores especialistas do bondinho e de escaladas no Pão de Açúcar: são mais de três mil.

Os caminhos do Pão de Açúcar guardam áreas de Mata Atlântica e ainda algo curioso para os escaladores: desde o século XIX que são encontradas balas de canhão nas vias usadas pelos alpinistas. Domingos Sávio Teixeira, alpinista amador que há dez anos faz, sozinho, o reflorestamento da face leste do Pão de Açúcar, já encontrou cerca de 15 peças do tipo. Elas foram entregues ao Museu Histórico da Fortaleza de São João, onde estão expostas:

Ou elas foram de escaramuças dos franceses ou se fazia exercício de tiro na pedra do Pão de Açúcar, lá da Fortaleza de Santa Cruz explica o coronel Thadeu Marques de Macedo, diretor do museu.

Mas o esforço de Domingos Sávio é voltado para a recuperação e mantenção das áreas verdes de parte do Pão de Açúcar, exuberantes na foto de Marc Ferrez. Todos os finais de semana ele dedica um dia inteiro ao trabalho solitário, que resultou até agora no plantio de cinco mil mudas de espécies da Mata Atlântica:

O trabalho é basicamente individual. Uma vez por mês promovo um mutirão que tem o objetivo de despertar nas pessoas essa relação com o meio ambiente.

Quem quiser viver a mesma emoção dos primeiros a viajarem no bondinho, como há um século, desembolsará R$ 53. Atenção com os horários: por causa das comemorações, que incluirão um jantar fechado com autoridades e personalidades ligadas ao bondinho, a bilheteria neste sábado será encerrada às 16h50m e a última viagem (Morro da Urca-Praia Vermelha) ocorrerá às 18h. Também faz parte da programação de aniversário a Exposição 100 anos Bondinho, que será aberta durante o jantar deste sábado. Projeções com imagens de 1908 a 2012 serão divididas entre as quatro estações do ponto turístico. No Morro da Urca, haverá painéis sobre eventos, como o Noites Cariocas, e personalidades que já passaram pelo monumento. A viagem ao passado terminará no Pão de Açúcar com a Cápsula do Tempo. No espaço, o visitante poderá deixar sua mensagem sobre o que espera do futuro. A exposição ficará até o dia 31 de março de 2013.

Descoberto na Alemanha mapa teleférico que ligaria Copacabana à Tijuca, no Rio

30/10/2012 - O Globo

Poucos dias após a comemoração dos 100 anos da primeira viagem do bondinho do Pão de Açúcar, foi descoberto na Alemanha o mapa de outro teleférico, que ligaria Copacabana à Tijuca, no Rio. A data colocada no mapa que passou 100 anos guardado numa gaveta é de 5 de novembro de 1912, de acordo com o jornal "O Globo".
A empresa alemã Julius Pohlig AG planejou o teleférico que iria de Copacabana até a Tijuca. A companhia é a mesma que o engenheiro brasileiro Augusto Ferreira Ramos contactou para construir o bondinho do Pão de Açúcar.
O mapa foi encontrado no Arquivo Industrial Renano-Westfaliano (RWWA, na sigla em alemão), em Colônia, na Alemanha. E ele só foi encontrado por conta do centenário do bondinho do Pão de Açúcar. Funcionários procuraram algo interessante para o prefeito de Colônia levar ao Rio na sua próxima visita.
"Dentro do material do bondinho do Pão de Açúcar, achamos um mapa com o título "Situação do projetado teleférico de pessoas". Quando se diz que algo é "projetado", significa que existia uma intenção concreta de realizar o projeto. Nós pensávamos que só podia ser o mapa da construção do bondinho até o Pão de Açúcar. Até que eu reparei que no mapa havia sete paradas e passagem pelo Corcovado. Talvez o projeto não tenha sido realizado por motivos financeiros", disse Ulrich Soénius, diretor do RWWA.



Enviado via iPhone

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Teleférico de São Bernardo deve custar R$ 130 milhões

26/08/2012 - Diário do Grande ABC

O secretário de Transportes e Vias Públicas, Oscar Silveira Campos, explica que o sistema de teleféricos fará ligação aérea entre os principais morros da cidade

Por Fábio Munhoz

São Bernardo espera assinar até o primeiro semestre contrato com o Banco Mundial no valor de US$ 300 milhões (cerca de R$ 600 milhões) para a execução de quatro empreendimentos na área de mobilidade. Entre os projetos de maior destaque estão a criação de teleférico ligando os morros da cidade e a travessia aquática entre os bairros Santa Cruz, Tatetos e Alvarenga.

O secretário de Transportes e Vias Públicas, Oscar Silveira Campos, explica que o sistema de teleféricos fará ligação aérea entre os principais morros da cidade. Nos pontos mais baixos serão feitas as estações. A estimativa é de que 12 pequenos terminais sejam feitos. Os bondinhos circularão em velocidade média de 25 km/h. O investimento estimado é de R$ 130 milhões. Entre os possíveis locais que terão estações estão as avenidas Tiradentes e Dom Pedro de Alcântara.

Outro modal que a Prefeitura pretende implantar é a travessia aquática por meio de catamarãs - modelo de embarcação com duas canoas, o que proporciona mais estabilidade do que um barco comum.

O sistema já é adotado no Rio Grande do Sul, para ligação entre Porto Alegre e Guaíba. Segundo a concessionária que faz a operação, o veículo trafega a 45 km/h e conclui a viagem em 20 minutos. Também há ponte entre os dois municípios, com 1,1 quilômetro de extensão. A implantação em São Bernardo deverá custar em torno de R$ 50 milhões. Serão construídos píers nos bairros Tatetos, Santa Cruz e Alvarenga.

Segundo Silveira Campos, os dois modais serão integrados aos ônibus municipais. "A princípio, a ideia é cobrar a mesma tarifa do transporte sobre pneus." O secretário pretende instalar nos bondinhos e nas embarcações catracas eletrônicas que aceitem o Cartão Legal, o bilhete único da cidade.

O titular da Pasta estima que, se o contrato com o banco for assinado até agosto do ano que vem, os sistemas estejam implantados entre 2013 e 2014. A carta-consulta deve ser enviada à instituição ainda neste ano. Em seguida. o banco irá manifestar se aprova ou não o financiamento. Por tratar-se de transação internacional, o contrato precisa ter aval do governo federal para ser concretizado.

Pontes

Também está prevista a construção de duas vias elevadas. Uma delas será no Riacho Grande e substituirá a balsa João Basso. A ponte terá cerca de 600 metros e custará cerca de R$ 100 milhões.

Outro viaduto ligará o bairro  Taboão ao Rudge Ramos. O elevado, que custará aproximadamente R$ 250 milhões, ligará a Avenida do Taboão com a futura extensão da Lauro Gomes, próximo à divisa com São Caetano. A via terá extensão aproximada de 800 metros. Silveira Campos prevê que os empreendimentos estejam concluídos até o fim de 2014. Ainda não está definido o número de imóveis que terão de ser desapropriados.

Cidade planeja ter 12 corredores de ônibus até 2016

Até 2016, São Bernardo deverá ter 12 corredores de ônibus. Do total, 11 serão construídos por meio de financiamento com o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), cujo contrato deverá ser assinado até o fim do ano. O valor total do pacote, que inclui a construção de quatro terminais, é de US$ 250 milhões, o equivalente a cerca de R$ 500 milhões. O outro corredor será o Leste-Oeste, cuja verba virá do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

No mês passado, o Executivo contratou por R$ 34 milhões o consórcio Planservi/Hagaplan/Oficina para elaboração dos projetos.

Os locais que receberão vias exclusivas para o transporte coletivo são Alvarenga, João Firmino, Senador Vergueiro, Faria Lima, Jurubatuba, Montanhão, Ferrazópolis, Rotary, Capitão Casa, Castelo Branco e Galvão Bueno. Os terminais serão nos bairros Alves Dias, Batistini, Vila São Pedro e Rudge Ramos. A cidade deve ter até 2015 a Linha 18-Bronze do Metrô em funcionamento total.

Mais um ponto turístico

27/08/2012 - Extra, Paula Fernandes e Roberta Hoertel

Enquanto o teleférico do Alemão completa um ano com três milhões de passageiros, o Morro da Providência se prepara para receber o transporte

Há cerca de um ano, quando começaram os trabalhos, eram apenas gôndolas azuis percorrendo cabos de aço ainda duvidosos. Hoje vermelhas, as gaiolas do teleférico do Complexo do Alemão, um mês após completar o primeiro ano de funcionamento, atingiram a marca de três milhões de passageiros, derrubando os medos e dúvidas da população. Enquanto isso, as obras do teleférico do Morro da Providência estão a todo vapor para edificar um novo cartão-postal na paisagem do Rio.
- Lá em cima balança muito, tudo que é novo gera medo, mas hoje vejo o quanto o sistema foi útil aqui no Alemão - conta a estudante Marcia Pereira.
Na época da inauguração, a implantação do primeiro sistema de transporte de massa por cabo do país numa comunidade recém-pacifica da foi questionada até pelos moradores. Além da insegurança inicial do transporte, a ideia de que a novidade não duraria muito dentro da comunidade afastou muitos cariocas do passeio.
- Achei que com o tempo eles fossem desistir disso, mas está aí até hoje, sem nenhum problema - conta a estudante Juliana Marques.
Mais do que facilitar a vida dos moradores, que chegam a economizar 20 minutos de caminhada, as gôndolas são mais um ponto turístico. Verônica Silva saiu de Copacabana, onde mora, para conhecer o local com uma amiga. Voltou no dia seguinte com os três filhos:
- É muito divertido! De acordo com a Secretaria Municipal de Habitação, as obras do teleférico da Providência deverão ser concluí das até o fim de outubro. Mas o órgão não confirmou a data da inauguração.
Rotina cansativa com dias contados
Morador do Morro da Providência, no Centro, há 35 anos, o líder comunitário Paulo Luiz de Andrade, de 51, depende diariamente de mototáxis e kombis para subir e descer a ladeira. Ao ver as obras do teleférico, ele ganha mais fôlego para cumprir sua rotina cansativa.
- Tenho que descer, em média, umas três vezes ao dia, seja para ir ao mercado, à farmácia ou resolver algum problema. A cada trajeto de ida e volta, se for de mototáxi, gasto R$5; na kombi, tenho que pagar R$3 - explica ele, que também é funcionário público.
Segundo a Secretaria Municipal de Habitação, três estações vão ligar o Morro da Providência à Central do Brasil e à Cidade do Samba, num percurso de 665 metros. O teleférico será gratuito para os moradores, mas deverá ter um custo para visitantes.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Teleférico do Alemão supera a marca de 3 milhões de passageiros transportados

23/08/2012 - Agência Rio

O teleférico do Complexo do Alemão acaba de superar a marca de 3 milhões de passageiros transportados. O expressivo número de embarques foi atingido na segunda semana deste mês, pouco depois de o primeiro sistema de transporte de massa por cabo do país completar um ano de funcionamento. Segundo a SuperVia, que administra o teleférico, a meta é aumentar o número de transportados de 10 mil para 15 mil por dia até dezembro.

“Acompanhamos as mudanças que têm sido implementadas para a melhoria na qualidade de vida e na cidadania local. Este número é a prova de que, por meio da eficiência do serviço oferecido, conquistamos a população e fidelizamos os passageiros para este sistema, que é pioneiro no Brasil – afirmou o diretor de operações do Teleférico do Alemão, Luiz de Souza.

Inaugurado no dia 7 de julho de 2011, o teleférico é fruto de intervenções do Programa de Aceleração do  Crescimento (PAC) na comunidade.

“O sucesso do Teleférico é comprovado através da marca de 3 milhões de embarques realizados ao longo deste primeiro ano de operação. O transporte por cabos está se mostrando uma importante ferramenta de mobilidade dentro das comunidades do Alemão. A eficiência do sistema está sendo levada, inclusive, para outras regiões do Rio, a fim de ampliar a capacidade de deslocamento de nossa população”, disse o secretário estadual de Transportes, Julio Lopes.

Usuários economizam tempo e dinheiro
 
Para a comunidade, o teleférico representa economia de tempo e dinheiro. Usuária do sistema, a dona de casa Maria das Dores Barbosa disse que diminuíram os gastos no transporte dos filhos até a escola. Moradores do Morro do Adeus, eles vão diariamente até a estação Itararé para estudar.

“Antes do teleférico, eu tinha que pagar R$ 360 por mês de transporte escolar para eles, porque a distância é longa. Hoje, gasto pouco mais de R$ 60 mensais para nós três irmos juntos, e levamos, no máximo, 20 minutos para chegar ao destino final”, disse a dona de casa.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Venda de bilhetes promocionais no Teleférico será prorrogada

13/08/2012 - Supervia
  
Com um mês em oferta, a tarifa promocional, que comemora o aniversário de operação do Teleférico do Alemão, será prorrogada até o dia 7 de outubro. A campanha lançada pela SuperVia, concessionária que administra o sistema inaugurado há um ano, dobrou o número de bilhetes vendidos para integração Teleférico-trem. O uso dos dois sistemas representa uma economia de 90 centavos aos Clientes. Atualmente, nos dias úteis, cerca de 10 mil moradores e turistas nas comunidades do Complexo do Alemão utilizam o Teleférico, que é integrado ao sistema ferroviário por meio da estação Bonsucesso/TIM (ramal Saracuruna).

terça-feira, 17 de julho de 2012

ONG do Morro da Providência paralisa obras do teleférico

16/07/2012 - O Globo

Segundo diretor da instituição, prefeitura ainda não deu nenhuma resposta sobre melhorias que serão realizadas como contrapartida à instalação de torres no terreno da ONG

RIO - O diretor geral do Instituto Central do Povo (ICP) - ONG ligada à Igreja Metodista - Ronaldo Pereira, informou que as obras do teleférico do Morro da Providência foram paralisadas na manhã desta segunda-feira. O instituto está impedindo a entrada dos cerca de 300 operários no canteiro de obras. Segundo Pereira, a atitude foi tomada devido ao não cumprimento por parte da prefeitura de melhorias na ONG, prometidas por ocasião da instalação de três torres dentro do terreno da instituição, como uma contrapartida às obras.

Enviamos uma notificação há cinco dias úteis ao secretário municipal de Habitação, Jorge Bittar, e, como não tivemos nenhum retorno, estamos paralisando a obra a partir de hoje disse Ronaldo, que acrescentando que, entre as melhorias prometidas no instituto, estão a reforma da creche e troca do piso.

Ronaldo Pereira acrescentou que cada uma das duas torres de sustentação do teleférico que estão no terreno da ONG tem 16 metros quadrados de base. E que elas afetariam futuras construções que a ONG poderia realizar no local:

A obra está trazendo muitos transtornos. Tem crianças da creche que fica dentro da nossa instituição que estão com alergia à poeira e foram encaminhadas para tratamento. Fora o barulho. Sem contar que podemos ficar sem área para ampliar a creche no futuro.

Ao ser contatada pelo GLOBO, a secretaria informou que não estava ciente do ocorrido e está verificando a questão.

O instituto fica na Rua Rivadávia Correia 188, no bairro Gamboa, atrás do terreno onde ficará a estação Gamboa.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Morro da Providência deve ganhar teleférico até outubro

11/07/2012 - O Globo

Dos pilares do teleférico, oito já podem ser avistados num rápido passeio pelas ruas estreitas

RIO - Na Central do Brasil, milhares de pessoas entram na estação ferroviária e saem dela, alheias ou não às imensas estruturas de concreto e aço que surgem no terreno do velho camelódromo da Praça Cristiano Otoni, incendiado há pouco mais de dois anos. Ali do lado, no quarteirão delimitado pelo Terminal Américo Fontenelle e pela Rua Senador Pompeu, o trabalho é acelerado no canteiro de obras do programa Morar Carioca, para concluir as torres que sustentarão os cabos do teleférico do Morro da Providência. Ainda há muito o que fazer, mas a promessa, segundo a Secretaria municipal de Habitação, é que a obra esteja pronta até outubro e o equipamento entre em operação experimental nos 60 dias seguintes.

Dos pilares do teleférico, oito já podem ser avistados num rápido passeio pelas ruas estreitas do morro e dos dois lados da Providência. No canteiro ao lado da Central, duas torres metálicas já receberam os trilhos sobre os quais serão colocados os cabos de aço que transportarão as cabines. Outras duas torres, de concreto, estão sendo concluídas. No alto do Morro da Providência, dois grandes pilares já tomam a área da antiga Praça Américo Brum. Na Gamboa, na esquina das ruas Rivadávia Correa e Gamboa, atrás da Cidade do Samba, um pilar metálico já tem os trilhos, enquanto outro ainda está cercado de andaimes.

As três estações do sistema, que ficam nos mesmos terrenos dos pilares, ainda não começaram a ser erguidas. Mas, segundo o secretário municipal de Habitação, Jorge Bittar, o prazo será mantido, uma vez que as estações foram projetadas com estruturas em aço e alvenaria, de rápida execução.

A maioria dos pilares é feita de metal e as peças são confeccionadas no Rio. Já as estações, embora sejam três projetos distintos, serão de metal, alvenaria e vidro, o que acelera o processo construtivo garante Bittar.

O teleférico da Providência será fornecido pela empresa austríaca Doppelmayr, que inaugurou em junho passado uma linha suspensa de transporte sobre o Rio Tâmisa, em Londres. Segundo Bittar, inicialmente, a prefeitura vai operar o sistema, mas não está descartada a escolha de um operador terceirizado para o teleférico. A exemplo do sistema instalado no Complexo do Alemão, o da Providência também será gratuito para moradores.

Teremos um período de 60 dias de testes, antes que o teleférico entre em carga com passageiros diz Bittar.

As obras do teleférico da Providência fazem parte do projeto Morar Carioca, que inclui a reestruturação das rede de água, esgoto e drenagem da comunidade, além da remoção de famílias de áreas de risco, a abertura de ruas de acesso e a construção de um plano inclinado na escadaria de 165 degraus que leva ao cruzeiro do morro. Orçado em R$ 150 milhões, o programa começou a ser executado em fevereiro de 2011 e tem prazo de conclusão para o primeiro semestre de 2014.

A previsão é que 967 unidades habitacionais sejam erguidas pelo Morar Carioca na Providência, nos próximos dois anos. As primeiras 120 unidades habitacionais já começaram a ser construídas na Rua Nabuco de Freitas, nas imediações da Central do Brasil. Estão previstas ainda outras 50 unidades na Ladeira do Farias, também dentro do orçamento de R$ 150 milhões.

A prefeitura negocia ainda a desapropriação de dois terrenos na região para a construção de outras moradias pelo programa Minha Casa, Minha Vida. Num dos terrenos, na esquina das ruas do Livramento, da Gamboa e João Álvares, onde hoje há um casario antigo, deverão ser construídas 240 moradias; no outro, na Rua Audomaro Costa, a prefeitura pretende erguer 349 unidades.

Na Rua do Livramento, é um terreno da Unilever, onde centenas de pessoas viviam em cabeças de porcos. Na Audomaro Costa, é um estacionamento de ônibus. Estamos em processo final de aquisição desses terrenos. Os projetos estão prontos explica Bittar.

Os reassentamentos, argumenta o secretário, estão sendo feitos por múltiplas razões. Além da retirada de moradores de áreas de risco, como na localidade da Pedra Lisa, o projeto prevê a remoção de casas no trajeto das obras, como a do plano inclinado, e a abertura de ruas de acesso.

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Famoso em todo o mundo, bondinho do Rio de Janeiro completa 100 anos

09/07/2012 -Correio Braziliense, Max Milliano Melo
 
Há 100 anos, um grupo de operários trabalhava no alto de um morro no Rio de Janeiro, a então capital do Brasil. Provavelmente, eles não sabiam, mas a complexa engenhoca para a época se tornaria um dos monumentos mais famosos do mundo: o teleférico do Pão de Açúcar, carinhosamente apelidado de bondinho. O monumento, que já abrigou o charmoso agente secreto 007, a célebre ladra Carmen San Diengo, e foi palco do revezamento da tocha olímpica em 2008, foi inaugurado em 1912. Há um século, uma das mais complexas e belas obras de engenharia moderna era erguida, mudando para sempre a paisagem carioca e a imagem internacional do Brasil.

O bondinho não se resume a um simples ponto turístico. Fortemente na memória afetiva dos brasileros, o teleférico se tornou um símbolo do Brasil e ajudou o Rio de Janeiro a conquistar o inédito título de Patrimônio Cultural da Humanidade, na semana passada. “Seria impossível pensar no Pão de Açúcar separado do Morro da Urca e sem o bondinho”, afirma Luiz Fernando de Almeida, presidente do Instituto Nacional do Patrimônio Artístico e Arquitetônico (Iphan). “É nessa única apropriação dos espaços e na interação com o ambiente natural que reside o maior patrimônio cultural do Rio”, completa.

sábado, 7 de julho de 2012

São Bernardo quer teleféricos como transporte

04/07/2012 - Diário de São Paulo

Prefeitura estuda implantar sistema semelhante ao utilizado em Bogotá e no Rio de Janeiro

Por Tiago Oliveira

A Prefeitura de São Bernardo deu início a estudos para a implantação de sistema de transporte através de teleféricos, voltado a regiões da cidade localizadas em áreas de difícil acesso.

O estudo ainda está na fase inicial. O secretário de Transportes e Vias Públicas de São Bernardo, Oscar Silveira Campos, está na Alemanha para conhecer a tecnologia que poderá ser adotada na cidade.

“Nos bairros onde nós temos regiões muito montanhosas, estamos estudando a viabilidade do metrocabo, que as pessoas chamam de teleférico”, explica o secretário adjunto de Transportes de São Bernardo, Luiz Rosa. “Hoje esse equipamento já é bastante utilizado em muitas cidades para transportes de passageiros. Possibilita tirar as pessoas de áreas de difícil acesso e transportá-las de forma rápida para os terminais mais próximos”, completa.

Modelos

Se o projeto for concretizado, São Bernardo será a segunda cidade do país a contar com tecnologia deste tipo. O primeiro município a adotar esse sistema de transporte foi o Rio de Janeiro. Desde julho do ano passado, o teleférico do Alemão passou a funcionar na Zona Norte da  capital fluminense.

A principal inspiração é Bogotá, capital da Colômbia, que implantou o sistema em áreas montanhosas, incluindo comunidades antes dominadas por cartéis.

Em São Bernardo, o bairro do Montanhão é exemplo de uma das áreas que podem receber primeiro os teleféricos, devido às características topográficas da região.

“Essa ideia surgiu no final do ano passado e a gente vem avançando com isso, mas ainda de uma forma embrionária”, explica o  secretário adjunto de Transportes e Vias Públicas, Luiz Rosa.

Acesso

Ontem, a prefeitura inaugurou novo acesso entre os bairros Planalto e Independência, ligando as ruas Benedito Conrado Filho e a avenida Robert Kennedy.

O trecho recebeu investimento de R$ 910 mil. Antes, existia no local uma passagem para pedestres, que foi demolida.

A inauguração do trecho provocou mudanças no sistema viário. O acesso em frente à rua Cônego Luís Catelli passou a ter sentido único para o retorno na avenida Robert Kennedy, na direção da avenida Piraporinha.

Já o novo acesso entregue ontem tem sentido único para retorno na avenida Robert Kennedy, em direção à praça Giovanni Breda.

O investimento incluiu a criação de um novo sistema de semáforo na região. A construção do novo acesso  durou cerca de seis meses.

sábado, 21 de abril de 2012

Teleférico atinge a marca de 2 milhões de passageiros

20/04/2012 - O Dia Meio de transporte é o primeiro sistema de massa segurado por cabos no Brasil Fabio Gonçalves O teleférico do Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro, superou a marca de 2 milhões de passageiros. Primeiro sistema de transporte de massa por cabo do País, o meio de transporte foi inaugurado em 8 de julho de 2011. A marca foi alcançada no último sábado (14) e, segundo o presidente da concessionária que administra o teleférico, Carlos José Cunha, o resultado é uma demonstração dos sentimentos de cidadania e dignidade que agora estão presentes no conjunto de favelas do Alemão. Primeiras UPPs são inauguradas Na quarta-feira (18), a comunidade da Fazendinha e Nova Brasília receberam as duas primeiras UPPs do Complexo do Alemão. Ao todo, serão 660 policiais em 16 localidades, onde vivem aproximadamente 40 mil moradores, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública. O Complexo do Alemão e o Complexo da Penha estão ocupados pela Força de Pacificação desde 28 de novembro de 2010. As comunidades Nova Brasília e Fazendinha contam com policiais do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) e de Choque (BPChq) desde 28 de março deste ano.