quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Teleférico do Alemão ficará parado por pelo menos seis meses

15/09/2016 - O Globo

Técnicos encontraram desgaste em um dos cabos de tração
   
POR ANTÔNIO WERNECK 

RIO - O serviço de transporte de passageiros feito pelo teleférico do Complexo do Alemão foi suspenso por tempo indeterminado, informou a Secretaria estadual de Transportes em nota distribuída nesta quinta-feira. Segundo o governo do estado, foi identificada “a evolução atípica do desgaste de um dos cabos de tração”, sendo necessária a paralisação preventiva do sistema, obedecendo às normas internacionais de segurança.

O problema foi identificado na quarta-feira durante a manutenção diária. A recomendação técnica é que seja realizada a troca do cabo, e a Secretaria de Transportes já determinou ao consórcio Rio Teleféricos que sejam tomadas as providências para a sua substituição.

A previsão é que o serviço seja retomado em seis meses, devido ao prazo de fabricação, entrega e instalação do cabo, que é fabricado sob medida no exterior. O contrato com o prestador de serviço está regular e a manutenção do teleférico, em dia. A troca do cabo ficará a cargo do operador e do fabricante e não acarretará custo adicional para o Governo do Estado.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/teleferico-do-alemao-ficara-parado-por-pelo-menos-seis-meses-20121019#ixzz4KN7ZavRP 
© 1996 - 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

quinta-feira, 14 de julho de 2016

GOVERNO DO CEARÁ APRESENTA PROJETO DO TELEFÉRICO DE BARBALHA

04/12/2015 - Governo do Estado do Ceará

O secretário adjunto das Cidades, Quintino Vieira, reuniu-se em Brasília, na manhã desta quinta-feira (3), com o Sérgio Brant, diretor do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio)  para tratar sobre a construção de um teleférico no município de Barbalha. O equipamento tem como objetivo estimular o crescimento da atividade turística, possibilitando novas oportunidades para o desenvolvimento regional da região Sul do Ceará. Para tratar das questões envolvendo o meio ambiente, também esteve presente o superintendente estadual do Meio Ambiente, Ricardo Araújo Lima.

Durante o encontro, o secretário apresentou o projeto do teleférico para o diretor do Instituto e solicitou autorização de uso de terras da União da Floresta Nacional do Araripe (Flona). O ICMBio se comprometeu a analisar o pedido e responder o mais breve possível para o Estado do Ceará.

O Teleférico de Barbalha pretende interligar a Vila do Caldas ao Mirante do Cruzeiro de onde pode-se contemplar o Vale do Salamanca, Centro Histórico de Barbalha, além de permitir uma vista privilegiada da encosta da Chapada do Araripe.

Com uma capacidade prevista de transportar 660 pessoas por hora, a estação de embarque tem seu ponto inicial no antigo Hotel Balneário da Vila do Caldas e desembarca no Cruzeiro localizado no alto da Chapada, perfazendo um percurso de 550 metros com desnível de até 146 metros.

Localizado no Distrito do Caldas no município de Barbalha, o equipamento se apresenta como um meio de transporte de passageiros sustentado por cabos, sendo que estes por sua vez são sustentados em torres. Ele representa um meio capaz de proporcionar a interação e a contemplação da rica paisagem local.

A intervenção do Teleférico do Caldas está totalmente inserida na Área de Proteção Ambiental (APA) da Chapada do Araripe e contida parcialmente na Flona, apenas na área destinada ao mirante e estação superior.

    SERVIÇO:

    O que o projeto contempla:

    – Estações de embarque e desembarque;

    – Passarela (Com 183m² de extensão);

    – Espaços de Contemplação (Equipados com bancos, lixeiras, totens informativos e binóculos);

    – Observatório (Destinado à observação de pássaros nativos da Chapada do Araripe);

    – Mirante (Com área aproximadamente de 177,20m²).


(Governo do Estado do Ceará)

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Teleférico do Alemão passa a operar aos domingos e feriados


Primeiro sistema de transporte de massa por cabos no Brasil e integrado à rede ferroviária, o teleférico já alcançou a marca total de mais de 13 milhões de passageiros
    
29/04/2016 -  Jornal do Brasil

Horário também foi ampliado nos dias úteis e aos s
Horário também foi ampliado nos dias úteis e aos sábados
créditos: Henrique Freire / Divulgação

O Teleférico do Complexo do Alemão tem novo horário de funcionamento a partir desta semana. A operação, que teve seu horário ampliado, será realizada de segunda a sexta-feira, das 6h às 22h, e aos sábados, das 8h às 20h. Aos domingos e feriados será das 7h às 19h.

A divulgação do novo horário para os moradores está sendo feita por meio de cartazes nas estações e aviso sonoro dentro das gôndolas. Atualmente, o embarque no sistema é gratuito.

O Teleférico do Alemão foi inaugurado em 7 de julho de 2011. Desde 8 de março deste ano, a operação e a manutenção do sistema são de responsabilidade do Rio Teleféricos. Primeiro sistema de transporte de massa por cabos no Brasil e integrado à rede ferroviária, pela estação Bonsucesso, já alcançou a marca total de mais de 13 milhões de passageiros transportados.

sábado, 19 de março de 2016

Em seis meses, o serviço será oferecido das 6h às 22h de segunda a sexta. E das 8h às 20h aos sábados, domingos e feriados

SuperVia deixou de repassar R$ 6,8 milhões de bilheteria do teleférico para o estado

Durante cinco anos, a concessionária SuperVia, empresa do grupo Odebrecht TransPor, explorou a operação do transporte de passageiros no teleférico do Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio. A conta pelos 60 meses de serviços prestados, executados com dispensa de licitação, segundo a Secretaria estadual de Transportes, foi de R$ 3,3 milhões por mês, ou seja, um total de mais de R$ 180 milhões por todo o período. Mas este não foi o único custo do negócio para o estado. Uma investigação feita pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) revela que a SuperVia nunca repassou ao governo estadual o dinheiro recolhido nas bilheterias com a cobrança das tarifas social (R$ 1) e turística (R$ 5).

O repasse era previsto em uma cláusula do contrato firmado entre o governo estadual e a concessionária. Só entre 2011 e janeiro de 2014, período analisado pela auditória do TCE, a SuperVia deixou de repassar aos cofres estaduais, mais de R$ 6,8 milhões decorrentes da arrecadação nas bilheterias do teleférico do Alemão. Instaurado em 2013, o processo de auditoria junto a Secretaria estadual de Transporte (Setrans), responsável pelo contrato, ainda não tem prazo para ser encerrado. Segundo o TCE, a Setrans ainda está apresentando as alegações de defesa. Caso fique comprovado que a concessionária descumpriu obrigações, a empresa estará sujeita a sanções que vão desde simples advertência até impedimento de contratação por administração pública em período de até dois anos.

Procurada, a Setrans disse que o valor devido pela SuperVia em repasse não feito das tarifas é de R$ 2,3 milhões. A secretaria adiantou ainda que o estado ainda deve R$ 14,5 milhões à concessionária, referentes a parcelas contratuais que ainda não foram totalmente saldadas. Também procurada pelo EXTRA, a SuperVia disse que nada tinha a acrescentar às respostas dadas pela Setrans.



19/03/2016 - Jornal Extra

Em seis meses, o serviço será oferecido das 6h às 22h de segunda a sexta. E das 8h às 20h aos sábados, domingos e feriados Foto: Rafael Moraes / Extra

Transporte vai ter horário ampliado

Vencedor da única licitação feita pelo governo, o consórcio Rio Teleféricos já substituiu a SuperVia. A empresa começou a operar o transporte no último dia 8. A despesa mensal do contrato será de R$ 2,7 milhões. Segundo a Setrans, em 36 meses de contrato haverá uma economia de R$ 22 milhões em relação ao que era cobrado anteriormente pela SuperVia.

Por enquanto, a passagem é livre nas catracas e não há cobrança de tarifa social ou turística nas estações de Bonsucesso, Adeus, Baiana, Alemão, Itararé e Palmeiras. A cobrança — R$ 1 ou R$ 5 para turistas — só deve voltar em meados de abril, período previsto para ser concluída a migração do sistema de bilheteria, que passará a ser gerenciado pela Rio Teleféricos. Moradores continuam com direito a uma ida e uma volta gratuitas por dia.

Após 60 dias, haverá ampliação em uma hora do horário de funcionamento do teleférico em dias úteis. A previsão é que, de segunda a sexta-feira, o funcionamento seja das 6h às 22h. Já aos sábados, domingos e feriados, o horário será das 8h às 20h. Por enquanto, o teleférico não está funcionando nos domingos.


quarta-feira, 9 de março de 2016

Consórcio Rio Teleféricos começa a operar teleférico do Alemão

08/03/2016 – O Globo

Primeiro dia de funcionamento do teleférico do Alemão com uma nova concessionária. Foto: Henrique Freire / Divulgação 
Primeiro dia de funcionamento do teleférico do Alemão com uma nova concessionária. Foto: Henrique Freire / Divulgação

O Consórcio Rio Teleféricos começou a operar o teleférico do Alemão nesta terça-feira. O valor mensal do contrato com o consórcio, que é de 36 meses, é de R$ 2.706.400.

O funcionamento do teleférico, inicialmente, será mantido das 6h às 21h nos dias úteis e das 8h às 16h aos sábados. Após, no máximo, 60 dias, a operação será ampliada: de 6h às 22h de segunda a sexta e de 8h às 20h aos sábados, domingos e feriados. A gratuidade aos moradores será mantida, assim como a tarifa de R$ 5 para visitantes, a tarifa social R$ 1 para usuários do Bilhete Único Intermunicipal.

O Teleférico do Complexo do Alemão foi inaugurado em 7 de julho de 2011 e, desde então era operado pela SuperVia. Primeiro sistema de transporte de massa por cabos no Brasil e integrado à rede ferroviária, alcançou a marca total de mais de 13 milhões de passageiros transportados e, atualmente, registra 9 mil embarques por dia.


segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Investigado, filho do presidente do TCU domina teleféricos no Rio

03/01/2016 -  Folha de SP

Criada em abril deste ano, uma empresa do advogado Tiago Cedraz, filho do presidente do TCU (Tribunal de Contas da União), Aroldo Cedraz, está perto de controlar todos os teleféricos em favelas do Rio. O sistema se tornou símbolo das obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) na cidade.

Três empresas do advogado estão envolvidas com a construção e operação de teleféricos na cidade. Um contrato foi obtido sem licitação junto a consórcio formado por empresas envolvidas na Operação Lava Jato.

Tiago Cedraz passou a ser alvo de um inquérito da Polícia Federal após ter seu nome citado pelo empreiteiro Ricardo Pessoa, da UTC, em acordo de delação premiada. Ele disse ter pago R$ 50 mil mensais ao advogado para receber informações do TCU.

A construção dos dois teleféricos contou com verba federal, do PAC. O TCU é o responsável por monitorar a aplicação dos recursos da União em convênios com Estados e municípios.

Em junho, a empresa Providência Teleféricos foi escolhida, sem licitação, para operar as gôndolas em favela de mesmo nome no centro. Ela foi subcontratada pela concessionária Porto Novo (Odebrecht, Carioca e OAS), responsável pelas obras e serviços da revitalização da zona portuária do Rio —área da qual a favela faz parte.

Cedraz já havia atuado indiretamente na construção do sistema. Sua empresa Euroconsult é, desde 2010, representante comercial da austríaca Doppelmayr, especializada em construir teleféricos.

A empresa austríaca foi subcontratada pelo consórcio Rio Faz, também formado por Odebrecht, Carioca e OAS —todas alvo da Lava Jato—, para construir as estações, fornecer as gôndolas e instalar todo o sistema de cabos que compõem o teleférico. O serviço custou à prefeitura R$ 82 milhões, parte financiada com verba do PAC.

No mês passado, a Providência Teleféricos foi declarada vencedora da concorrência para administrar o teleférico do Complexo do Alemão (zona norte). Vai receber R$ 2,7 milhões por mês.

Na disputa, ela faz parte do consórcio Rio Teleféricos, junto com a Hanover Administradora de Bens Próprios, também da família Cedraz.

O resultado da concorrência ainda não foi homologado porque há recursos em análise. A operação é bancada pela Secretaria Estadual de Transportes.

O teleférico do Alemão foi o primeiro a ser erguido em área urbana no país, experiência inspirada em Medellín (Colômbia). Ele foi construído a partir de 2008 pela francesa Poma, concorrente da Doppelmayr. A obra custou cerca de R$ 200 milhões.

OUTRO LADO

O advogado Tiago Cedraz, por meio de sua assessoria de imprensa, afirmou que a Providência Teleféricos foi criada "quando surgiu a oportunidade de participar das concorrências de operação dos teleféricos".

Ela está perto de controlar os dois sistemas do Rio após ter sido criada em abril.

Cedraz disse que assumiu o sistema da favela da Providência (centro) por indicação da Doppelmayr.

Ele afirmou ainda que a participação da empresa austríaca na obra foi negociada diretamente por ela e o consórcio. Ele é representante comercial da Doppelmayr no país desde 2010.

O advogado disse também não haver conflito de interesses no TCU em atuar na obra na Providência porque, segundo ele, o contrato não contou com verba federal. A União e a prefeitura confirmaram uso de recursos do PAC na construção.

Cedraz negou as acusações de Ricardo Pessoa na delação premiada da operação Lava Jato. E disse que o empresário fez referência a seu nome tendo como objetivo "distorcer fatos para construir uma delação com o único propósito de atenuar seus inúmeros crimes".

A Doppelmayr disse que contratou Cedraz sem ter conhecimento de seu parentesco com o presidente do TCU. A empresa afirmou que indicou a Providência Teleféricos para operar o sistema após desistir de fazê-lo. A empresa austríaca considerou o contrato "de baixo valor e razoável risco jurídico".

Em nota, a Porto Novo afirmou por meio da Comunicação Mais, sua assessoria de imprensa, que a Providência Teleféricos "apresentou todas as qualificações técnicas exigidas pela concessionária, sendo também credenciada junto ao fabricante do equipamento".

A Odebrecht, líder do consórcio Rio Faz, afirmou por meio de sua assessoria que a contratação da Doppelmayr foi precedida de "cotação entre os fornecedores cadastrados para o serviço".

"O processo levou em consideração os parâmetros de mercado, como custo-benefício, qualidade e atendimento às exigências técnicas", diz a nota da assessoria.