sábado, 17 de dezembro de 2011

Teleférico do Alemão chega à marca de um milhão de passageiros transportados Da Redação

 
17/12/2011 - Agência Rio

O governador Sérgio Cabral e o primeiro-ministro da França, François Fillon, visitaram na manhã deste sábado (17) o teleférico do Complexo do Alemão, comunidade pacificada do subúrbio da Penha, Zona Norte do Rio. Na ocasião, o governador descerrou a placa alusiva ao marco de um milhão de passageiros transportados no teleférico até este sábado.

Cabral encontrou a comitiva francesa na primeira estação do teleférico, Morro do Adeus, e seguiu com os visitantes até a última parada, na estação Palmeiras. O meio de transporte foi construído com tecnologia francesa da empresa Poma.

Participaram da visita o vice-governador e coordenador de Infraestrutura, Luiz Fernando Pezão, os secretários da Casa Civil, Regis Fichtner; de Assistência Social e Direitos Humanos, Rodrigo Neves, e de Transportes, Julio Lopes, a secretária de Esporte e Lazer, Marcia Lins, a chefe da Polícia Civil, Martha Rocha, o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Erir Ribeiro, entre outras autoridades O encontro com o governador Sérgio Cabral faz parte do programa da visita do primeiro-ministro François Fillon ao Brasil, entre 15 e 17 de dezembro.

domingo, 13 de novembro de 2011

Teleférico vai ligar Rocinha à Linha 4 do metrô

13/11/2011 - O Globo

Similar a modelo do Alemão, sistema terá 9 estações e capacidade para transportar 30 mil passageiros/dia

Rio - Depois da pacificação, os moradores da Favela da Rocinha ganharão mobilidade. A construção de um teleférico nos moldes do sistema implementado no Complexo do Alemão é a aposta do governo do estado para garantir rápido acesso dos moradores da comunidade à futura estação São Conrado da Linha 4 do metrô. A Empresa Estadual de Obras Públicas (Emop) estima que o sistema terá nove estações, percorrerá um trecho de 2,5km e operará com capacidade para transportar 30 mil pessoas por dia. O início das obras deverá se dar no fim do ano que vem, caso não haja atraso nas licitações.

O governo marcou para o próximo dia 30 a concorrência pública para elaborar a segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC-2) da Rocinha. A vencedora terá R$ 12 milhões para desenvolver os projetos. Além do teleférico, as intervenções incluem a construção de pelo menos três planos inclinados. O objetivo é dotar a Rocinha de um sistema de transporte integrado ao metrô, como diz o presidente da Emop, Ícaro Moreno Júnior, que estima custo de R$ 700 milhões para execução do projeto.

— Os planos inclinados terão acesso às estações do teleférico, que será ligado ao metrô. Tenho um conceito de teleférico, uma ideia ainda a ser debatida com a população. Vamos propor nove estações, cortando a Rocinha desde a estação do metrô, na subida da Estrada da Gávea, até o Largo do Boiadeiro, passando pelo parque ecológico que vamos inaugurar em janeiro — planeja.

As gôndolas devem ser similares às do Alemão, com capacidade para oito pessoas sentadas e duas em pé, detalhou o presidente da Emop. E o número de paradas da Rocinha deve mesmo ser maior que o do Alemão (cinco).

A Emop considera que, por conta da maior concentração populacional por metro quadrado da Rocinha em relação ao conjunto de favelas da Zona Norte, o novo teleférico terá um pouco mais do que as 152 cabines de passageiros do Alemão. Moradores da favela deverão ter uma passagem de ida e uma de volta gratuitas por dia.

— Não tenho dúvidas de que o sistema de transportes da Rocinha será um grande sucesso. O Alemão está hoje com 12 mil passageiros por dia. Na Rocinha, mais vertical e com densidade demográfica maior, podemos chegar a 30 mil logo no início de operação — avalia Ícaro Moreno.

Se as obras prometem trazer benefícios à favela, alguns transtornos serão inevitáveis, diante da necessidade do reassentamento de cerca de mil moradores. Essas pessoas serão realocadas na própria comunidade, ou podem ir para outro local, via programa de compra assistida.

Em recente reunião com o vice-governador Luiz Fernando Pezão, a presidente Dilma Rousseff pediu ao governo do estado que desenvolva projetos para a ampliação dos espaços entre o mobiliário da Rocinha. A presidente quer que as intervenções sigam o modelo da Rua Quatro, que foi alargada em 7,5 vezes.

— Abriremos espaço, vamos oxigenar a comunidade e derrubar os altos índices de tuberculose. Em janeiro, vamos licitar outros R$ 60 milhões em obras de saneamento e diversas ações de conclusão do PAC-1 — diz Pezão.

Conforme mostrou O GLOBO em outubro, o Instituto dos Arquitetos do Brasil do Rio (IAB-RJ) havia questionado o fato de o edital das obras do PAC-2 exigir dos concorrentes mais de R$1 milhão de capital mínimo e experiência em projetos de execução de teleféricos. A segunda exigência foi abolida pela Emop.

Fonte: O Globo/RJ
 

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Projeto prevê transporte de passageiros em cabines

02/11/2011 - O Dia (PI)

Teresina poderá ter, já a partir de 2012, um sistema de transporte de passageiros revolucionário. Chamado de Personal Rapit Transit (PRT), que significa Transporte Individual Rápido, o sistema existe em algumas cidades do mundo e já está em estudo para ser implantando em várias cidades do Brasil. Teresina é uma delas, com previsão para inauguração do primeiro modelo experimental no segundo semestre de 2012. Será 1 quilômetro de extensão, instalado no pátio da RFFSA (Rede Ferroviária Federal, próximo ao Terminal de Petróleo, na zona sudeste de Teresina).

O PRT está sendo implantado no Brasil pela Mister, uma empresa internacional que detém a patente do sistema de transporte. O PRT consiste em trilhos elevados onde cabines climatizadas percorrem em trilhos de aço distancias com maior velocidade, uma vez que sem obstáculos e sem filas, os usuários podem se deslocar com mais segurança e maior economia.

Cada cabine transportará quatro pessoas sentadas e um espaço para cadeirantes. "A vantagem do sistema é a rapidez entre os deslocamentos e também proporcionará a redução dos congestionamentos, já que as pessoas deverão deixar seus automóveis em casa e usar o PRT", afirma o turismólogo Jorge Machado, responsável pela Misterbrasil em Teresina e que vai administrar o novo sistema de transporte por 25 anos.

A previsão é de que as linhas sejam localizadas nos canteiros centrais das principais avenidas, onde serão instalados postes com 12 metros de altura e 40 metros de distância um do outro. As cabines serão fixadas nos trilhos e serão movidas a energia elétrica a uma velocidade média de 60 Km/h.  Os passageiros, para fazer o embarque e desembarque, utilizarão estações localizadas em pontos movimentados de Teresina.

Os estudos para a implantação do PRT estão sendo feitos por várias empresas, que depois serão avaliados pela Consultoria e Planejamento. Em seguida, o parecer final será encaminhado para a Prefeitura de Teresina (que dará a autorização para a concessão do sistema), autoridades ambientais (para estudo do impacto ambiental, saneamento, saúde, obras e impactos de solo) e ainda a Companhia Metropolitana de Transporte Público (CMTP), já que 70% dos pontos por onde passarão os trilhos do PRT são de propriedade da CMTP.

Jorge Machado conta que Teresina terá 14 quilômetros de trilhos que percorrerão quase toda a cidade, interligando os bairros. Uma das linhas interligará o Aeroporto Senador Petrônio Portella às Avenidas Centenário, Santos Dumont e Miguel Rosa. De lá, no cruzamento com a Avenida Frei Serafim, se abrem duas linhas, sendo uma em direção ao Centro, concluindo na praça Pedro II, e uma outra em direção à zona leste.

Ao chegar na zona leste (Avenida João XXIII), novamente se abrirão duas linhas em direções diferentes: uma pela Av. N. Sra. de Fátima até o Campus da Universidade Federal do Piauí, e uma outra pelas Avendies Raul Lopes, Cajuína, passando pela terminal da RFFSA, indo até ao bairro Itararé (Dirceu Arcoverde) pelas Avenidas Paulo Ferraz e José Francisco de Almeida Neto. Teresina terá 32 estações de embarque e desembarque de passageiros.

O custo total do projeto será de R$ 250 milhões e será bancado por empresas internacionais emissores de gás carbônico no planeta. "No Protocolo de Kyoto, foi acertado em as empresas deveriam investir em transportes não poluentes para compensar os danos ao meio ambiente e evitar o aumento da poluição", afirma Jorge, sobre o protocolo internacional assinado em 1997 na cidade de Kyoto, no Japão, parra discutir o aquecimento global.

No entanto, o investimento terá retorno para as empresas investidoras através da cobrança do bilhete (passagem), como ocorre com os ônibus e metrô, além de créditos carbono oriundos do resgate de poluentes efetivados com o funcionamento das cabines, cuja energia utilizada é elétrica.

Jorge Machado prevê que o PRT substituirá os automóveis em até 40%, uma vez que ao preço da passagem do metrô, este sistema descongestiona o centro da cidade, facilita o acesso e o estacionamento. "Além disso, hoje um veículo transporta, em média 1,2 pessoas. Com a cabine, serão transportadas 4 pessoas", explica o turismólogo.

Apesar de ser chamado de transporte individual, o PRT transportará até quatro pessoas (cinco se contar o cadeirante). Assim, a capacidade de transporte é de 200 mil pessoas por dez quilômetros por dia. "São cinco mil viagens feitas por quilômetro em um dia. Como cabem quatro pessoas, o total é de 200 mil passageiros", diz Jorge.

Vantagens

Entre as vantagens do PRT, o custo, a segurança e o acesso. "AS pessoas poderão se deslocar tranquilamente sem o sufoco dos transportes como ônibus, e nem os preços cobrados pelos transportes preferenciais como os táxis. Assim mesmo, deve se destacar o resgate de gases poluentes que o sistema possibilita, melhorando a qualidade do ar que respiramos", diz Jorge.

Por enquanto o sistema Mister está instalado nas cidades de Opole (Polônia) Wuppertal (Alemanha), Shonan (Japão), Vancouver (Canadá), Londres (Inglaterra),  Amristar (Índia), Masdar City (Abu Dhabi), Morgantown e Minessota (EUA), alem dos países Coréia do Sul e Holanda.

sábado, 22 de outubro de 2011

Governo lança novo edital para teleférico na Rocinha, no Rio

23/10/2011 - RJTV / G1

Interessados devem ter capital e experiência em construção de teleféricos.

Há três anos o governo do estado pagou R$ 2, 2 milhões para a elaboração do plano de desenvolvimento da Rocinha, na Zona Sul do Rio, que incluiu projetos para a construção de planos inclinados no morro.

Um exemplo do sistema é o que foi instalado no Morro Dona Marta, em Botafogo, também na Zona Sul da cidade.

A empresa que fez o projeto na Rocinha foi selecionada em um concurso nacional promovido pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil, mas agora o governo do estado lançou um edital para escolher uma nova empresa que possa executar um novo projeto com um teleférico.

A ideia surgiu depois que foi confirmada a inauguração de uma nova estação do metrô na Estrada da Gávea, na Rocinha.

O governo faz exigências aos interessados que querem participar da concorrência, no dia 7 de novembro. Os candidatos devem ter capital mínimo de R$ 1 milhão e R$ 200 mil reais e comprovada experiência na construção de teleféricos.

“Nós teremos que ter garantia do projeto. A licitação pública, é aberta, é democrática”, falou Ícaro moreno, presidente da Empresa de Obras Públicas do estado (Emop).

"No Morro do Alemão, o arquiteto que projetou, não tinha experiência anterior. O escritório que venceu o concurso e tem trabalhado desde então tem plenas condições para incorporar esses novos valores", disse o presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil, Sérgio Magalhães.

A empresa vencedora terá em mãos R$ 12 milhões do governo do estado para criar o projeto. O teleférico da Rocinha poderia ter oito estações, três a mais do que no Alemão.

Pelos cálculos iniciais da Emop, a construção do novo sistema de transporte poderia custar R$ 700 milhões, que viriam de uma nova parceria com o Governo Federal. Ainda segundo a Emop, as obras, que durariam três anos, poderiam começar já em meados de 2012.

Fonte: Do RJTV/G1 RJ      Versão para impressão 

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Teleférico do Alemão terá horário de funcionamento ampliado

03/10/2011 - Segs.com.br

O Teleférico tem 3,5 quilômetros de extensão e 152 gôndolas, com capacidade para transportar 10 passageiros cada uma, sendo oito sentados e dois em pé.

Por Uyara Assis

O Teleférico do Complexo do Alemão, administrado pela SuperVia, terá seu funcionamento ampliado por três horas a partir desta segunda-feira (03/10). O novo horário permitirá que a operação comece uma hora mais cedo, às 6h, e que seja concluída duas horas mais tarde, às 21h, nos dias úteis. A mudança possibilita um serviço que oferece ainda mais comodidade ao morador do Complexo do Alemão e se aproxima do funcionamento pleno, previsto para novembro.
 
Em 12 de setembro, teve início a cobrança unitária de R$ 1. A SuperVia oferece, nas bilheterias das estações do Teleférico, os cartões que permitem a integração trem-teleférico por R$ 2,80, valor da tarifa unitária dos trens. Durante seus três meses de operação, o Teleférico tem um índice de 99% de eficiência operacional, tornando-se uma referência turística e de logística da cidade. O sistema tem uma média de utilização de sete mil pessoas/dia e já transportou cerca de meio milhão de passageiros.
 
O atual período de “Operação Assistida”, que terá duração de quatro meses e foi iniciado em 08/07, tem como foco a capacitação dos passageiros e atendentes / orientadores (equipe “Posso Ajudar”) para funcionamento cotidiano, incluindo-se também verificação do fluxo de pessoas em diferentes horários. “A comunidade será a primeira a ser avisada em caso de possíveis mudanças no cronograma de operação”, diz Luiz de Souza, diretor de Operações do Teleférico.
 
O cadastramento de moradores, iniciado em 25/07 pela RioCard para garantir gratuidade das passagens (ida e volta), continua a ser pré-agendado pelo telefone (3265-9997, de segunda a sexta de 07:30 às 20:10, além de sábados e domingos: 07:50 às 14:10). Também está disponível um posto na estação de Bonsucesso. Para o registro, o morador deverá apresentar CPF e comprovante de residência. O débito ocorre apenas após duas viagens diárias, seguindo política de gratuidade concedida pelo Governo Estadual.
 
Infraestrutura
 
O Teleférico tem 3,5 quilômetros de extensão e 152 gôndolas, com capacidade para transportar 10 passageiros cada uma, sendo oito sentados e dois em pé. Por hora, poderão ser transportados 3 mil passageiros por sentido. A viagem da primeira estação (Bonsucesso) à última (Palmeiras) tem duração de 16 minutos.
 
Além de cumprir sua função como um sistema de transporte, também destina espaços para equipamentos de inserção social. As estações e serviços estão distribuídos da seguinte forma:
 
. Estação intermodal: situada no bairro de Bonsucesso, é a estação integradora com meio ferroviário de transporte, além de servir de instrumento de revitalização urbanística do bairro. Essa estação abriga um posto de identificação civil do Detran.
. Estação Adeus: localizada em uma das comunidades mais importantes do complexo, onde antes só havia acesso por intermédio de escadarias. Esta estação vai contar ainda com uma sala de leitura, uma agência do Banco do Brasil (já instalada) e um caixa eletrônico da Caixa Econômica Federal (já instalado).
. Estação Baiana: localizada no bairro de Ramos, trata-se da estação motriz de todo o sistema, é o “coração” do teleférico. Abrigará um posto de identificação civil do Detran, um posto de orientação urbanística e social da prefeitura (Pouso) e um caixa eletrônico da CEF (já instalado).
. Estação Alemão: situada na comunidade que batiza o complexo, essa estação vai abrigar mais um equipamento social – o centro de referência da juventude –, um posto de atendimento do INSS e uma agência dos Correios.
. Estação Itararé/Alvorada: mais uma das estações intermediárias inseridas no cerne da comunidade. Esta estação promove a integração com o conjunto habitacional da Poesi, na Estrada do Itararé, bem como o Colégio Estadual Jornalista Tim Lopes, além de ceder espaço a um centro de serviços à comunidade com um posto de identificação civil e de habilitação do Detran.
. Estação Palmeiras: estação de retorno do teleférico, localizada no Bairro de Inhaúma. Também destina um grande espaço para um centro cultural, com auditório, biblioteca, entre outros.
 
Sistema de tarifas
 
O morador do Complexo do Alemão cadastrado tem direito a duas passagens gratuitas diárias (uma de ida e outra de volta), não acumulativas. O cadastro pode ser feito pela RioCard por meio de apresentação de CPF e comprovante de residência. As demais passagens custam R$ 1,00 cada uma.
 
. Bilhete unitário para os demais passageiros: R$ 1,00
 
. Tarifa integração trem/teleférico (embarcando em qualquer estação da Supervia): R$ 2,80
 
. Bilhete com direito a embarcar e desembarcar em todas as estações, com validade apenas para o dia da primeira utilização: R$ 10,00 (tarifa turística.

Fonte: Segs.com.br - Portal Nacional
 

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Teleférico do Alemão transporta 200 mil passageiros em 16 dias

01/07/2011 - Priscila Trindade - estadão.com.br

Moradores da comunidade e turistas brasileiros e estrangeiros usam o transporte

SÃO PAULO - O teleférico do Complexo do Alemão, na zona norte do Rio, que liga o conjunto de favelas ao bairro de Bonsucesso, transportou cerca de 200 mil passageiros em 16 dias, segundo boletim da Secretaria de Estado de Obras, divulgado nesta segunda-feira, 1º. Entre os usuários estão moradores da comunidade e de outros bairros do Rio de Janeiro, além de estrangeiros.

Marcos de Paula/AE

Viagem entre a primeira e última estação dura 16 minutos
O teleférico tem capacidade para transportar 30 mil passageiros por dia e é operado pela Supervia, concessionária responsável pelo teleférico. A linha se estende por 3,5 quilômetros e seis estações -- Bonsucesso, Adeus, Baiana, Alemão, Itararé/Alvorada e Palmeiras. A viagem da primeira estação à última tem duração de 16 minutos.

domingo, 24 de julho de 2011

Teleférico do Alemão vai ganhar um mirante

23/07/2011 - O Dia

Nos primeiros 15 dias de operação, 29 mil visitantes eram ‘turistas’. O número representa 20% do total de 147 mil

De olho na crescente demanda turística, o teleférico do Complexo do Alemão ganhará um mirante na Estação Palmeiras. O visitante desfrutará de visão panorâmica de todo o conjunto de favelas, além de várias outras regiões do Rio.

“O Alemão será como o Pão de Açúcar e o Cristo Redentor”, valoriza o presidente da Supervia, Carlos José Cunha. Nos primeiros 15 dias de operação, pelo menos 20% do público das 147 mil pessoas — 29 mil usuários — eram de fora.

A partir de segunda-feira, moradores terão que agendar1 o cadastramento para garantir o direito a duas passagens gratuitas por dia. A data será marcada pelos telefones 3265-9997, das 7h30 às 20h, durante a semana, e das 7h50 às 14h, nos finais de semana. Na primeira semana de agosto, um estande será montado na Estação de Bonsucesso para entrega de CPF, identidade e comprovante de residência.

Na sexta-feira, foi inaugurado o Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania, na sede do comando da Força de Pacificação, na Av. Itaoca, em Bonsucesso. No posto, será possível tirar certidão de nascimento e título de eleitor e ter acesso à Defensoria Pública.

Receba notícias de O DIA no seu celular
Imprimir Enviar por e-mail Compartilhar

Namorada do chimpanzé Paulinho já está no zoo do Rio

Teleférico do Alemão vai ganhar um mirante

Prefeitura realiza limpeza de réplica de escultura do Louvre em Ipanema

MP cobra medidas para sanar irregularidades no acolhimento de moradores de rua


O Dia
Teleférico do RJ transporta 147 mil pessoas em 2 semanas
Publicado: domingo, 24 de julho de 2011
A integração do Teleférico com os trens da SuperVia proporciona uma forma mais ágil e confortável para os moradores do Complexo do Alemão se locomoverem.

Com duas semanas de operação assistida, o Teleférico do Complexo do Alemão já transportou 147 mil pessoas. Para garantir a perfeita adaptação da comunidade a esse novo modelo de transporte, a SuperVia está promovendo ações para orientação de funcionários e clientes. O funcionamento também está sendo feito em horários alternados para que seja possível dimensionar corretamente o fluxo de passageiros, as demandas da comunidade e os possíveis pontos de melhorias.

A operação começou divida em dois horários, entre 9h e 11h e 14h e 16h e posteriormente ampliada. “Logo percebemos que aumentar as horas diárias de funcionamento, com a abertura mais cedo, seria uma forma de atender melhor a população que está indo trabalhar e aprimorar a eficiência dos funcionários e manutenção do sistema. Nestes primeiros dois meses, podemos fazer essa rotatividade de horário para que estejamos preparados para a operação plena. A comunidade será a primeira a ser avisada em caso de possíveis mudanças neste período”, afirma Carlos José Cunha, presidente da SuperVia.

Na primeira semana de agosto será iniciado o cadastramento de moradores que terão direito a duas passagens gratuitas diariamente. Na próxima segunda-feira, 25/07, a RioCard iniciará um pré-agendamento pelo telefone (21) 3265-9997, que funcionará de segunda à sexta, entre 07h30 e 20h, e sábados e domingos, entre 07h50 e 14h. O cadastramento começa na primeira semana de agosto com posto instalado na estação de Bonsucesso e a previsão inicial é que aconteça de segunda à sexta, das 7h às 16h, e aos sábados, de 9 às 13h. Para o registro, o morador deverá apresentar CPF, RG e comprovante de residência. A cobrança será a feita a partir de setembro.

A integração do Teleférico com os trens da SuperVia proporciona uma forma mais ágil e confortável para os moradores do Complexo do Alemão se locomoverem. Para o bom funcionamento do transporte, a empresa reforça a importância de seguir a orientação da equipe de seguranças e “Posso ajudar?”, profissionais responsáveis pela organização do embarque e desembarque dos passageiros. Para Luiz de Souza, diretor do Teleférico, as premissas para a regularidade do sistema já estão entrando no cotidiano das pessoas. “Ainda temos alguns pontos a melhorar como, por exemplo, as pipas. Teleférico e pipa não combinam. Pedimos o apoio da comunidade, pois a brincadeira causa interrupções na circulação, o que pode atrasar a conclusão do trecho e aumentar a espera na fila. Quem sai perdendo é o passageiro, justamente a quem queremos oferecer um transporte mais rápido e eficiente”, conclui Souza.

Fonte: Ferreoclipping
 

domingo, 17 de julho de 2011

Teleférico do Alemão tem horário estendido para atender população

16/07/2011 - Jornal do Brasil

Na semana passada, a presidente Dilma Rousseff inaugurou o teleférico

A partir da próxima segunda-feira (18), o teleférico do Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio, irá funcionar de 7h às 12h. O horário de funcionamento será ampliado em uma hora para atender a uma maior demanda de  moradores da comunidade, segundo informações da SuperVia, concessionária que administra o teleférico.

O Complexo do Alemão foi pacificado por forças de segurança no fim do ano passado e era considerado um dos maiores redutos do tráfico de drogas no Rio de Janeiro.

De acordo com informações do governo do estado, o meio de transporte deve beneficiar cerca de 200 mil moradores da região, custou R$ 210 milhões e demorou três anos para ser finalizado.

Na semana passada, a presidente Dilma Rousseff inaugurou o teleférico. Ela estava acompanhada do governador do Rio, Sérgio Cabral, e do prefeito Eduardo Paes. Eles seguiram no teleférico do Morro do Alemão até o Morro do Adeus. Atendendo um pedido de Dilma, o grupo fez todo o trajeto do teleférico.

Tarifas da passagem

Segundo informações divulgadas governo do estado, a tarifa será de R$ 1 para moradores, que terão direito a duas gratuidades por dia, e visitantes. No primeiro mês de funcionamento, entretanto, a população e os visitantes não precisam pagar passagem.

O usuário que usar o teleférico e o trem pagará o valor do bilhete ferroviário, R$ 2,80. Para os turistas, foi criado um pacote especial, de 12 bilhetes unitários a R$ 10.


 

sexta-feira, 15 de julho de 2011

NOTÍCIAS
TELEFÉRICO DO ALEMÃO TRANSPORTA MAIS DE 27 MIL PESSOAS EM UM SÓ DIA
 13/07/2011 - 17:08h - Atualizado em 13/07/2011
Muitos moradores curiosos buscaram o teleférico simplesmente para conhecer a novidade


O teleférico do Complexo do Alemão registrou uma movimentação de mais de 27 mil pessoas nesta quarta-feira (13/07), quarto dia de operação, segundo a Supervia, concessionária que administra o primeiro meio de transporte por cabos do Brasil.
 
Muitos moradores curiosos buscaram o teleférico simplesmente para conhecer a novidade. Segundo funcionários da concessionária, alguns até se recusaram a desembarcar e queriam voltar na mesma gôndola em que embarcaram.
 
Outro fator que define este crescimento é a gratuidade do transporte nesse primeiro momento. As crianças e os adolescentes também lotaram o teleférico.
 
Nos primeiros 30 dias, a Supervia considera o funcionamento como um período de operação assistida, na qual funcionários passam por período de conhecimento e adaptação, assim como o sistema de cobrança de passagens, que também passa por ajustes.
 
Daqui a 60 dias, durante a terceira fase de funcionamento, o teleférico vai operar de segunda à sexta-feira, de 8h às 18h, aos sábados, de 9h às 16h, e aos domingos, de 9h às 15h. Na operação plena, prevista para novembro, o sistema vai funcionar de segunda à sexta-feira, de 6h às 21h, sábado, de 8h às 20h e domingo, de 9h às 15h.

15/07/2011 - Setrans-RJ

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Dilma e Cabral inauguram teleférico do Complexo do Alemão

07/07/2011 - Agencia Rio

A presidenta da República, Dilma Rousseff, e o governador Sérgio Cabral inauguraram, na manhã desta quinta-feira (7), o teleférico do Complexo do Alemão, o primeiro sistema de transporte de massa por cabo do Brasil. Dilma percorreu todo o percurso, ao lado do governador, em uma das 152 gôndolas. O sistema, que teve investimento de R$ 210 milhões, vai fazer 30 mil viagens por dia.

Ao chegar à estação do Alemão, Dilma e Cabral entregaram à comunidade um posto do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) e uma agência dos Correios. Em seguida, eles foram ao Morro do Adeus para a inauguração oficial do teleférico. O vice-governador Luiz Fernando Pezão e o prefeito Eduardo Paes também participaram da solenidade.

Para a presidenta Dilma Rousseff, o novo meio de transporte das comunidades do Alemão e da Penha é resultado da parceria entre os governos federal e estadual, que começou ainda no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Rousseff lembrou ainda os benefícios que o teleférico, símbolo do Programa de Aceleração do Crescimento e novo cartão de visita da região, traz para a população: paz, cidadania acessibilidade.

"Investir no Alemão e construir esse teleférico, uma obra necessária e muito bonita, mostra respeito ao cidadão, que conta com um equipamento com as melhores tecnologias de transportes de massa. Hoje, os moradores ganharam o respeito e a cidadania que merecem. Eles terão acesso a equipamentos de cultura e muito serviços públicos.Tenho orgulho de ter feito parte do processo de pacificação das comunidades", afirmou a presidenta.

Depois de agradecer pelo apoio do ex-presidente Lula e da presidenta Dilma Rousseff para viabilizar as obras do PAC em comunidades carentes do estado, Cabral lembrou o momento em que decidiu incluir a implantação do teleférico nos projetos previstos para o Complexo do Alemão. Ele disse que, em março de 2007, foi a Medelín em companhia do secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, para conhecer o processo de pacificação nas comunidades daquela cidade e visitou o teleférico de lá.

"Na época, eu pensei: como pode uma cidade tão mais pobre que o Rio de Janeiro como Medelín ter um teleférico com urbanização e paz e o Rio de Janeiro não ter? Então, hoje, estamos dando dignidade e mobilidade às pessoas que gastavam uma hora, uma hora e meia, para se locomover. Pessoas idosas que não conseguiam sair mais de suas casas por dificuldade para subir e descer as ladeiras. Por isso, eu peço a todos compreensão, solidariedade e cuidado com o teleférico", disse o governador.

O teleférico, uma das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), tem uma extensão de 3,5 quilômetros, de Bonsucesso, onde se integra aos trens da Supervia, até a última estação, no Morro da Fazendinha/Palmeiras. O percurso de uma ponta a outra, passando pelas estações das comunidades do Adeus, Baiana, Alemão e Itararé, é feito em 15 minutos, 35 minutos a menos do que uma viagem de ônibus.

No primeiro mês de funcionamento do teleférico, a população e os visitantes não precisarão pagar passagem. A tarifa será de R$1 para moradores, que terão direito a duas gratuidades por dia, e visitantes. Haverá ainda integração gratuita com a SuperVia: o usuário que usar o teleférico e o trem pagará o valor do bilhete ferroviário, R$ 2,80. Para os turistas, foi criado um pacote especial, de 12 bilhetes unitários a R$ 10.

O Governo do Estado também está desenvolvendo um projeto para estender a linha do teleférico até a Igreja da Penha e ao Estádio João Havelange, o Engenhão, a partir da estação Fazendinha. Outra ação é o desenvolvimento de um estudo para viabilizar o transporte na Rocinha, por meio de linhas de financiamento concedidas pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Moradores comemoraram inauguração

Os moradores dos Complexos do Alemão e da Penha ficaram ansiosos com a inauguração do teleférico que marca mais uma etapa de mudanças na vida da comunidade pacificada. Morador da Nova Brasília há 30 anos, o aposentado Manuel Ferreira nunca tinha circulado pelo complexo. Com o novo meio de transporte, ele poderá visitar parentes e vizinhos e ter acesso a outros pontos da região.

"Eu estou muito feliz com o teleférico. Quero muito dar o meu primeiro passeio ainda hoje. Vai facilitar a minha vida, e ainda poderei fazer turismo. Além do teleférico, que tem estações lindas, nós estamos ganhando muito com a pacificação: mais obras, dignidade e emprego. Temos muito o que festejar", afirmou Seu Manuel, que tem 75 anos.

O casal de mestre-sala e porta-bandeira da Escola de Samba Mocidade Independente de Padre Miguel, Robson Sensação e Ana Paula Gomes, moradores do complexo, também estão comemorando a inauguração do meio de transporte que facilitará a vida da população. Ana Paula nasceu na comunidade há 35 anos e Robson mora há 20 anos, e sabem bem das dificuldades de locomoção.

"Para nós, o teleférico será um diferencial. É uma obra que valoriza as nossas casas, facilita a chegada em outros pontos e permite que possamos até fazer compras, sem termos que carregar peso durante o percurso entre o asfalto e o morro. A melhoria será enorme - contou Robson.

Obras do PAC no Complexo do Alemão

Somente no Complexo do Alemão, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) já entregou: 728 Unidades habitacionais; o Colégio Estadual Jornalista Tim Lopes; um complexo esportivo; um Centro Educacional de Educação Tecnológica e Profissionalizante (Cetep); uma UPA 24 horas; áreas de lazer e esportiva; a instalação de 24.291 metros de redes esgotos; 15.400 metros de redes de drenagem; e a pavimentação de 30 quilômetros de rua.

Famílias que moravam em áreas de risco foram retiradas e realocadas em 592 apartamentos nos condomínios Jardim Acácias e Jardim Palmeiras, construídos pelo Programa Federal Minha Casa, Minha Vida. Estão em construção ainda 192 imóveis. Todas as obras foram realizadas com recursos dos governos federal e estadual, totalizando R$ 725 milhões.

PB

Pezão quer ampliar trajetos de teleférico do Alemão

07/07/2011 - Agencia Brasil

O teleférico do Alemão, uma das mais aguardadas obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) no Rio, mal foi inaugurado - com a presença da presidente Dilma Rousseff - e já vislumbra a possibilidade de ser ampliado em dois ramais, ligando a Igreja da Penha e as proximidades do Estádio João Havelange, conhecido como Engenhão. O novo sistema visa permitir o transporte de até 30 mil pessoas por dia.

A novidade foi divulgada nesta quarta pelo vice-governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, que entregou ainda nesta quinta à Dilma os estudos para a extensão do sistema. “Eu quero levar o teleférico lá para a Igreja da Penha e também para os lados do Engenhão, próximo ao shopping center (Nova América, onde há estação de metrô)”, disse Pezão.

São seis estações, no total, que apresentam diferentes equipamentos sociais, como biblioteca, auditório, banco, postos do INSS, do Detran e dos Correios. O teleférico tem ainda 152 gôndolas, com capacidade para 10 passageiros. Os moradores do Complexo do Alemão ganham duas passagens gratuitas por dia. Os demais, devem pagar R$ 1 para viajar. A operação é realizada pela empresa de trens Supervia, que designou 50 funcionários para atender o sistema no início, chegando a 200 trabalhadores dentro de quatro meses, quando o teleférico começa a funcionar no horário pleno, das 6h às 23h.

Pezão disse que mais de 90% das obras do PAC das Favelas no estado estão concluídas. Segundo o Ministério das Cidades, foram repassados para a primeira fase do PAC no estado do Rio R$ 3 bilhões, com mais R$ 862 milhões em projetos já selecionados na segunda fase do programa (PAC 2).

O custo total do Teleférico do Alemão foi R$ 210 milhões. O funcionamento do novo meio de transporte se tornou possível com o processo de ocupação do complexo de favelas pelas forças policiais estaduais e federais e a expulsão dos criminosos que há décadas dominavam a região, que já foi considerada uma das mais violentas da cidade. O vice-governador do Rio admitiu que o sistema precisa ser subsidiado, mas disse que espera obter renda com o fluxo de turistas no futuro.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Teleférico leva serviços do asfalto para o Alemão

06/07/2011 - O Dia; Felipe Freire

Entregas em domicílio, bancos, Correio e até posto do INSS vão ‘invadir’ complexo de favelas com chegada do novo transporte, que começa a funcionar na segunda-feira:

Rio - O Teleférico do Alemão já está levando ao complexo de favelas serviços antes restritos ao asfalto. Entregas em domicílio, bancos, posto do INSS e agência dos Correios prometem ‘invadir’ as comunidades, onde comerciantes já contam com crescimento do fluxo de fregueses para aumentar o lucro. O novo meio de transporte será inaugurado amanhã com a presidenta Dilma Rousseff, mas entra em funcionamento para a população segunda-feira.

Passagem custará R$ 1 e moradores terão um bilhete gratuito de ida e volta por dia. Comércio local se anima com perspectiva de maior fluxo de clientes | Foto: Deisi Rezende / Agência O Dia

Dentro e fora do complexo, o comércio planeja serviços de entrega em casa. “Faremos o serviço de entrega a pé, de moto e de teleférico”, anunciou o diretor de Relações Institucionais da Drogasmil, Rogério Azambuja, sobre a loja colada à estação do Itararé.

Com ponto há mais de 30 anos na Praça das Nações, em Bonsucesso, o dono da lanchonete Kuka’s, Fernando Pires Alves, estuda reativar o ‘delivery’ de lanches e quentinhas nas favelas. “O teleférico é a ferramenta”, observa. A praça é o endereço da estação de trem do bairro, onde desemboca o teleférico.

“Já estamos conversando com grandes empresas que querem vir ao Alemão e quiosques vão ser instalados nas estações”, divulgou o presidente da Empresa de Obras Públicas do Estado (Emop), Ícaro Moreno Júnior.

Nas seis estações, foram instalados caixas eletrônicos da Caixa Econômica Federal e agência do Banco do Brasil. Na parada do Alemão será inaugurado um posto do INSS, uma agência dos Correios, um Centro de Referência da Juventude e a Casa de Direitos, com serviços para casamentos, orientações jurídicas, emissão de carteiras de trabalho e de identidade.

Gratuidade para morador

Os 3,5 km de rede suspensa, integrada à estação de trem de Bonsucesso, serão percorridos em 16 minutos por R$ 1, conforme constatou equipe de O DIA, que viajou no teleférico. Moradores da comunidade cadastrados terão direito a uma passagem gratuita por dia, de ida e volta. Estima-se que 30 mil pessoas serão beneficiadas diariamente.

A 18km/h, as 152 gôndolas, passam por 6 estações (Bonsucesso, Adeus, Baiana, Alemão, Itararé e Fazendinha). O embarque é com a cabine em movimento lento. Elas funcionarão 10 horas por dia. Inicialmente o serviço será operado em períodos de duas a quatro horas.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Bondinho de Ubajara está sem funcionar

16/06/2011 - Diário do Nordeste, Wilson Gomes

O bondinho de Ubajara está parado há mais de três meses. O teleférico deveria ter passado por reformas no início do ano

Ubajara - O Parque Nacional de Ubajara está sem um dos seus principais equipamentos: o bondinho de Ubajara que parou de funcionar há mais de três meses. Prestes a completar 35 anos, o teleférico tem capacidade máxima de levar até 15 pessoas por passeio, mas desde dezembro de 2010 que o percurso estava sendo feito com apenas sete, até parar por completo - privando os turistas da bela vista proporcionada pela descida de 550 metros até a gruta de Ubajara. "Hoje para quem deseja visitar a gruta, o percurso está sendo feito a pé, com tempo de visitação em torno de cinco horas", disse o chefe da unidade, Francisco Humberto Sousa Bezerra, adiantando que a manutenção do equipamento é de responsabilidade da Secretaria Estadual do Turismo (Setur).

O teleférico deveria ter passado por reformas no início deste ano. A solicitação foi feita pela Setur, que garantiu na época que estaria enviando à Procuradoria Geral do Estado (PGE) um edital para o processo de licitação com o objetivo de reformar o terminal de passageiros do equipamento. A iniciativa tem como objetivo oferecer melhor conforto e segurança aos visitantes da Gruta de Ubajara, na Serra da Ibiapaba, no que se refere à infraestrutura de acesso.

O projeto contempla uma concepção arquitetônica moderna, espacial, mas sem fugir às características naturais da região. As intervenções no bondinho (de tecnologia italiana) vão contemplar as plataformas superior e inferior. A plataforma superior terá estrutura metálica em arco e pele em vidro laminado incolor com espessura de 10 milímetros. Na plataforma inferior, será instalada uma estrutura metálica complementar para suporte e fixação de placas em vidro temperado laminado incolor. Também será retirado o piso vinílico que se encontra aplicado sobre o assoalho de madeira. Já o guarda corpo metálico da escada de acesso à gruta será preservado, passando, ainda, por uma recuperação e pintura.

Segundo a Assessoria de Comunicação da Setur, o bondinho está parado por causa de uma peça que não há no mercado brasileiro. Segundo a assessoria, o material já foi comprado nos Estados Unidos e já se encontra no Ceará, porém aguarda liberação da Secretaria da Fazenda (Sefaz), para que a peça chegue ao seu destino, o Parque de Ubajara. O prazo para o bondinho voltar a funcionar não foi informado. Sobre a licitação para reformar o terminal de passageiros, a Comissão Central de Licitações do Governo do Estado divulgou, em abril, a empresa vencedora, a Construtora e Imobiliária Atualpa LTDA.

Orçada em R$ 1,42 milhões, a reforma da estação de passageiros do Teleférico de Ubajara será realizada com recursos do Tesouro Estadual. A obra é uma demanda da Setur e deve começar em breve a partir de parceria com o Instituto Chico Mendes. A previsão de entrega da reforma é de 180 dias, contados a partir da publicação do contrato no Diário Oficial e da assinatura da ordem de serviço.

MAIS INFORMAÇÕES

Parque Nacional de Ubajara

A 3 km do Centro da cidade; horário de visitação: terça a domingo, das 8 às 16 horas. Telefone: (88) 3634.1388